sexta-feira, 4 de março de 2016

JEsUs One: a pseudo-ciência do design inteligente às portas da academia


O dia 14 de dezembro é especial para mim. É dia de aniversário da minha mulher e também do meu irmão. Desde o ano passado, esse dia também deverá ser lembrado pela comunidade científica, especialmente pelos pesquisadores que trabalham em laboratórios voltados às ciências biológicas. Foi no dia 14 de dezembro de 2015 que a conceituada revista PLoS One (acrônimo para Public Library of Science One) aceitou para publicação o artigo “Biomechanical Characteristics of Hand Coordination in Grasping Activities of Daily Living” – em tradução livre “Características Biomecânicas da coordenação da mão em atividades de agarramento na vida diária” – de autoria de Ming-Jin Liu, Cai-Hua Xiong, Le Xiong e Xiao-Lin Huang. A PLoS One é conhecida por seu alto índice de impacto e velocidade no peer-review, o processo de revisão pelos pares, base da ciência contemporânea, a partir do qual artigos submetidos para revistas científicas são avaliados por outros pesquisadores da área, que emitem pareceres favoráveis ou não à publicação.

É de se esperar que revistas científicas bem qualificadas tenham um sistema de peer-review sério e que seus editores tomem extremo cuidado antes de aceitarem um trabalho para publicação. A PLoS, desde meados desta primeira semana de março, tem sido atacada por todos os flancos por conta do artigo de Liu e seus colaboradores. Em linhas gerais, o trabalho tem entre suas conclusões a ideia de que a habilidade manual humana extraordinária revela (pasmem!) o design divino. Se somos tão hábeis em agarrar objetos, clicar em sites maliciosos e digitar infindáveis mensagens no Whatsapp, o artigo da PLoS One sugere fortemente que isso tudo é obra de Deus. 

O resumo do artigo é bastante revelador (abaixo em tradução livre): 
A coordenação das mãos permite aos humanos ter controle para executar várias tarefas na vida diária com muitos graus de liberdade. Um fator importante que contribui para esta importante habilidade é a arquitetura biomecânica complexa da mão humana. No entanto, estabelecer uma clara ligação funcional entre a arquitetura biomecânica e coordenação das mãos é um desafio. Não se entende quais características biomecânicas são responsáveis ​​pela coordenação das mãos e qual o efeito específico que cada característica biomecânica tem. Para explorar esta ligação, nós inicialmente inspecionamos as características da coordenação das mãos durante as tarefas diárias através de uma análise estatística dos dados cinemáticos, que foram coletados a partir de trinta indivíduos destros durante diferentes tarefas que envolviam o ato de agarrar. Então, a ligação funcional entre a arquitetura biomecânica e a coordenação das mãos foi estabelecida por conta da clara causalidade correspondente entre as características conectivas tendíneas da mão humana e as características coordenadas durante as atividades diárias de agarramento. A ligação funcional explícita indica que a característica biomecânica da arquitetura conectiva tendínea entre músculos e articulações é o design adequado feito pelo Criador para realizar uma infinidade de tarefas diárias de uma maneira confortável.
Repito: isso foi publicado em uma revista científica tida como de boa reputação e elevado fator de impacto. Comparem agora com o texto abaixo:
[A evolução] tenta explicar a origem das espécies. Os seres vivos são formados por órgãos eficientes, como o coração, pulmões e olhos. Também, no nível microscópico, vemos dentro das células ‘máquinas’ incrivelmente projetadas. Qual a origem desses projetos? (...) De onde vêm os mecanismos? (...) Num ecossistema, a interdependência pode ser vista numa escala imensa. Um ecossistema é um ambiente com uma comunidade talvez de milhares de tipos de animais, plantas, bactérias e fungos. Todos os animais dependem das plantas como fonte de alimento e oxigênio, e a maioria das plantas floríferas depende dos animais. Embora os ecossistemas sejam extremamente complexos e os organismos neles sejam frágeis, eles podem sobreviver por milênios. Mesmo quando um ecossistema complexo é afetado por poluição, ele se recupera assim que a fonte da poluição é eliminada. Quando penso na capacidade de recuperação do inteiro sistema de vida na Terra, tenho certeza de que a vida foi projetada por Deus.
Este trecho saiu no site da revista Despertai!, um dos veículos de divulgação dos Testemunhas de Jeová. No meu entender, a lógica subjacente a ambas as passagens é a mesma (e a conclusão, idem).

Dado o burburinho da comunidade científica – que postou em massa comentários no site da PLoS One, muitos deles vindos de importantes editores e revisores da própria revista –, o artigo de Liu e seus colaboradores foi retratado ontem (03/03/2016). O periódico se desculpou e prometeu apurar em que passo (ou passos) do processo de peer-review houve equívocos (talvez fosse melhor o artigo ter sido revisado por “ímpares”, que certamente analisariam com mais cuidado seu conteúdo e linguagem). Da publicação no início de janeiro à retratação, foram pouco menos de dois meses. A despeito dos problemas vários, há vantagens no mundo digital em que tudo acontece em velocidade warp e dobra cinco!

O artigo de Liu e colaboradores é uma tentativa óbvia de incutir o discurso criacionista do Design Inteligente (DI) no meio científico acadêmico sério. Como discutido aqui no blog, o DI foi uma tentativade grupos religiosos inserirem o "criacionismo científico" no ensino de ciências dos Estados Unidos. O movimento foi criado no final dos anos 1980 pelo advogado Phillip Johnson, professor de direito em Berkeley (as credenciais “científicas” de Johnson são no mínimo questionáveis: além de não aceitar a teoria evolutiva, ele também negava que o vírus HIV era causa da AIDS). O DI não se fundamenta em evidências e teve todos seus débeis argumentos desconstruídos nas últimas décadas pela comunidade científica.

Os defensores do DI postulam a ideia do criacionismo científico (!), baseado na pretensa existência de “complexidades irredutíveis” nos sistemas biológicos. Segundo o DI, a evolução gradualista não seria possível e, assim, todos os sistemas vivos não teriam se originado por etapas através de um mecanismo lento e gradual como o da seleção natural, e sim a partir do blueprint de um designer ou projetista, um Criador (!), que tivesse pensado, a priori, no encaixe perfeito entre todos os componentes constituintes da vida no universo. O DI retoma a Teologia Natural de William Paley, anterior à publicação do Origem das Espécies (1859) de Charles Darwin, segundo a qual as relações entre as partes orgânicas dos seres vivos e entre estes no ambiente seriam evidência irrefutável para um deus interventor responsável por toda a criação.

Não é crime acreditar no Design Inteligente – assim como também não deve ser colocado atrás das grades os amantes da ufologia, da astrologia ou os “teóricos” dos alienígenas do passado. O que assusta não é a existência de panfletos defendendo a realidade de um designer sobrenatural e sim a interferência dessa visão pseudo-científica – com a tentativa de forçar a publicação de trabalhos como o da PLoS One – na prática acadêmica corriqueira. É fato: não se pode misturar maçãs e laranjas. O Design Inteligente NÃO é ciência e, portanto, NÃO deve ser tratado como tal. Assim como não esperamos encontrar um artigo discutindo as previsões para cada signo do zodíaco em revistas do tipo Nature ou Science (que têm grande impacto entre os cientistas), também não imaginamos que conclusões pseudo sobre DI apareçam em periódicos sérios como esses. O Design Inteligente é retórica criacionista e uma forma tacanha de introduzir o literalismo bíblico nas ciências.

O único ponto positivo desse imbróglio com a PLoS One foi a certeza de que a comunidade científica mundial, cada vez mais conectada (e antenada na importância de mídias sociais para a disseminação do conhecimento), está atenta às más práticas editoriais. Isso é um alento em um mundo repleto de ignorância e de crenças cegas em que ideologias e partidarismos sobrepõem-se ao ceticismo e às evidências.


Foto de Roy Winkelman. Fonte: http://etc.usf.edu/clippix/picture/gorilla-looking-at-hands.html 

Referência:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/revistas/

Um comentário:

Lucas Silva disse...

"A chama da vela escorre. Seu pequeno lago de luz tremula. A escuridão se avoluma. Os demônios começam a se agitar".
Sempre que leio sobre Design Inteligente e outras pseudo-ciências, lembro-me deste aforismo de Carl Sagan. Surpreendeu-me que a Plos tenha publicado algo do tipo. Eu não estava sabendo. Ainda não li o artigo, mas pelo trecho que você expôs, há nele um pouco da balela criacionista de sempre: sistemas complexos demais para terem evoluído por seleção natural. Isso cansa! Me irrita muito os criacionistas ainda usarem certos argumentos, mas a complexidade irredutível já esgotou minha paciência. Escrevi algo a respeito aqui (https://grandezanessavisao.wordpress.com/2016/09/14/complexidade-irredutivel-uma-muleta-que-deve-ser-abandonada/).